Enem

Enem 2017: Terá detectores de metal para segurança dos participantes

10 de outubro de 2017
Enem 2017: Terá detectores de metal para segurança dos participantes
5 (100%) 1 vote

Enem 2017: Terá detectores de metal para segurança dos participantes e contará com 67 mil aparelhos; cujo número que garantirá a vistoria dos participantes, na entrada e na saída de todos os banheiros; das 13.632 coordenações de local de aplicação.

O número é proporcionalmente maior ao da edição passada; quando os detectores passaram a ser usados em todos os banheiros e não mais de forma aleatória, como ocorreu em 2014 e 2015.

De acordo com o Inep, com a ampliação dos detectores de metal e a estreia de duas novas tecnologias – os detectores de ponto eletrônico e a prova personalizada – o Enem 2017 terá a estrutura de segurança aprimorada em relação a 2016, fortalecendo a isonomia entre os participantes.

Detectores de Metal

O Enem 2017 terá um detector de metal para cada 100 participantes. Em 2016, a relação era de 110 participantes por detector.

Com o encerramento da função de certificação do Ensino Médio; que voltou a ser do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja); o Enem 2017 teve 6.731.203 inscrições confirmadas; 22% a menos que em 2016, quando foram 8.627.371 inscrições confirmadas e 78 mil detectores adotados.

Reforço na segurança do Enem 2017

Para reforçar a estratégia aplicada em 2016, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) fechou um acordo administrativo para locação de 35 mil detectores junto ao Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe).

O consórcio aplicador de 2017; formado pela Fundação Cesgranrio, Fundação para o Vestibular da Universidade Estadual Paulista (Vunesp) e Fundação Getúlio Vargas (FGV) fornecerá 32 mil detectores. O grupo tinha 29 mil aparelhos disponíveis e adquiriu mais três mil recentemente.

Cada detector de metal será alugado por R$ 20, o que representará um custo total de R$ 700 mil. O gasto com os alugueis não aumentará o custo final do Exame porque o valor já estava previsto no orçamento da segurança. O consórcio aplicador, com apoio do Exército Brasileiro, já iniciou a verificação dos aparelhos alugados.

Estratégia de segurança Enem

O Inep adotará estratégia diversificada; pois além da ampliação no número de detectores de metal, o órgão diversificou a estratégia de segurança desta edição com a adoção, inédita, de detectores de ponto eletrônico em todas as unidades da federação.

Os novos aparelhos serão distribuídos em locais estratégicos, selecionados pela Polícia Federal a partir de um trabalho de inteligência que vem sendo preparado desde a aplicação do Enem 2016; a partir de informações do Inep e do Ministério da Educação (MEC).

Prova Personalizada Enem 2017

De acordo com o Inep, a prova personalizada, com os Cadernos de Questões identificados com nome e número de inscrição do participante, também inibe, significativamente, as tentativas de fraudes.

Ainda conforme o órgão, com o novo recurso, o participante não tem a opção de “mentir” sobre a cor da sua prova; uma vez que seu Cartão Resposta está vinculado ao Caderno de Questão personalizado. Outras medidas consolidadas em outras edições serão mantidas, caso da coleta do dado biométrico, lançada em 2016.

O objetivo do Inep ao ampliar os recursos de segurança é permitir que eles sejam cada vez mais especializados no combate às tentativas de fraudes; garantindo a isonomia do exame.

A parceira com a Polícia Federal, e o trabalho de inteligência feito com cruzamento de dados e investigação; resultou na anulação dos resultados de 13 participantes das edições de 2015 e 2016.

Os participantes que tentaram fraudar o Exame se beneficiando do uso de ponto eletrônico, por exemplo; além de terem os resultados cancelados e, consequentemente, perderem o direito às vagas no Ensino Superior; são indiciados por crime de fraude em certames de interesse público.

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply